Coca-Cola apresenta estratégia global de unificação no Brasil

Por: Matheus Ferreira

Em um evento que aconteceu hoje na cidade de São Paulo, a Coca-Cola anunciou oficialmente o lançamento da sua campanha que deve unificar o design das embalagens e a comunicação da companhia ao redor do mundo, como já falamos aqui.

Entre as novidades que pudemos conferir no evento, foi interessante ver como a companhia enxerga o cenário brasileiro com otimismo apesar do atual momento de incertezas econômicas que vivemos. Isso porque a empresa anunciou investimento recorde no Brasil que, hoje, é o 4º maior mercado consumidor da Coca-Cola no mundo.

Estiveram presentes à coletiva Marcos de Quinto, vice-presidente executivo global e líder global de marketing (CMO) da Coca-Cola Company, e Henrique Braun, novo presidente da Coca-Cola Brasil. – Divulgação.

A ideia central das novas embalagens é uma reformulação da maneira com que a Coca-Cola se comunica com seus consumidores. Se antes, a companhia tratava cada sabor como um produto visualmente diferente, agora a ideia é que o consumidor perceba que a única coisa que muda no produto é a quantidade de açúcar.

De acordo com a própria companhia, alguns consumidores que experimentaram os produtos com redução de açúcar já com a nova comunicação afirmaram que finalmente se sentiram consumindo uma Coca-Cola.

As novas embalagens já estão sendo distribuídas por todo Brasil e a campanha da companhia anunciando a nova comunicação estará por toda a parte já a partir de hoje.

Novo sabor para Coca-Cola zero açúcar

Além das novas embalagens, a Coca-Cola zero açúcar possui também uma nova fórmula. De acordo com a a Coca-Cola, nenhum ingrediente foi adicionado ou alterado, apenas com um novo equilíbrio de aromas, chegou-se a um sabor ainda mais atraente para as pessoas que desejam opções sem calorias.

Dentro da estratégia, está também o aumento da presença das opções – Coca-Cola regular, zero açúcar e com Stevia e 50% mais açúcares – nos pontos de venda: a empresa anunciou um incremento de 50% na distribuição das três versões em todo o país.

Com amor, GKPB. <3

Comentários

Revista se confunde e cria capa sobre mulheres com símbolo do sexo masculino

Por: Matheus Ferreira

2017 mal começou e o pessoal da revista Express, do Washington Post já cometeu uma das falhas mais grotescas que provavelmente iremos ver no Design neste ano. Isso porque ao realizar uma capa falando do poder feminino, a publicação utilizou uma imagem do símbolo grego de marte ♂, comumente utilizado para representar o sexo masculino.

Na capa era possível ver uma espécie de mosaico formado por diversas pessoas criando o símbolo. No centro a mensagem principal da revista: “O começo modesto de uma marcha maciça – Mais de 150 mil pessoas que apóiam os direitos das mulheres se inscreveram para um comício em Washington no dia seguinte à inauguração. Tudo começou com um post no Facebook.”.

A gafe foi tão absurda, que muitos leitores acreditaram que fosse mesmo a intenção da revista fazer uma brincadeira com o símbolo, praticamente querendo dizer que as mulheres estavam querendo status de homens, o que gerou ainda mais críticas.

Mas segundo a própria revista, tudo não passou de um erro mesmo. A imagem da capa deveria representar o símbolo de Vênus ♀, que representa o sexo feminino, não o ♂ como havia sido publicado. A mensagem veio acompanhada da imagem que deveria ter sido utilizada desde o início.

“Isto é como a capa deveria ter sido. Pedimos desculpas pelo erro”, afirmou a empresa.

Mesmo após a correção, diversos internautas continuaram com as críticas “Erros acontecem. Mas, o viés sistemático não é um erro. Faça certo: contratar ♀ Estamos qualificadas e estamos felizes em trabalhar (por um #SalárioEquivalente)”. disse uma internauta em resposta à publicação.

Ainda em referência à capa errada e ao atual momento de discussão de gênero nos EUA, uma outra internauta chegou a fazer uma ironia: “Pelo menos ela fornece a metáfora perfeita para a política de gênero dos EUA neste momento.” disse.

Com informações de: Fast Co Design.

Com amor, GKPB. <3

Comentários

O que rolou de melhor na 2ª edição do What Design Can Do em SP

Por: Matheus Ferreira

Na última semana aconteceu aqui em São Paulo a segunda edição do What Design Can Do. Um evento que nós já abordamos aqui a sua importância por simplesmente trazer o design para fora do conceito técnico que estamos acostumados e mostrar o impacto disso nas nossas vidas.

Durante os dois dias de evento, mais de 40 profissionais do mundo todo passaram pela FAAP para palestras, performances musicais, exibição de filmes oficinas e debates inspiradores sobre questões que dominam as discussões sociais da atualidade. E a gente vai contar pra você um pouco de tudo o que rolou por lá.

Primeiro dia

Aline Cavalcante – Foto: Sergio Caddah

O primeiro dia do What Design Can Do (13/12) começou com a palestra da cicloativista e empreendedora social Aline Cavalcante, que nos mostrou que o ativismo é fundamental para concretizar o sonho de um mundo mais sustentável e de criar cidades mais humanas.

A data também foi marcada pela voz doce e poderosa da cantora Xênia França, que se apresentou duas vezes ao longo do dia. Em sua segunda performance, ela vestiu um quimono assinado pela estilista senegalesa Selly Raby Kane – palestrante que encerrou as falas do dia 13, com uma fala sobre a sua curta (e já hypada) carreira, com looks que já chamaram a atenção até da cantora Beyoncé. Selly, que é um nome proeminente da cena alternativa de Dakar, também expôs à plateia um pouco sobre o olhar único do Senegal para o mundo da moda.

Xênia França – Foto: Sergio Caddah

Segundo dia

O responsável pela performance musical do segundo dia do What Design Can Do (14/12) foi o rapper Rico Dalasam, que animou o público com suas rimas sobre aceitação, fervo e luta.

Rico Dalasam – Foto: Sergio Caddah

Quem fechou a programação do segundo (e último) dia da conferência foi o publicitário, designer e curador de fotografias amadoras Erik Kessels. Em sua hilária apresentação, o público pôde conhecer um pouco mais sobre a aclamada butique criativa da qual é sócio-fundador, a KesselsKramer, e, principalmente, sobre seu último livro, “Failed It!”. A obra é uma celebração de erros e fracassos como verdadeiros impulsionadores da criatividade.

Erik Kessels – Foto: Sergio Caddah

Além das palestras do palco principal, o WDCDSP também ofereceu sessões especiais de aprofundamento incríveis. Os destaques foram as atividades sobre o combate à violência contra a mulher, que mostraram o potencial do design para ajudar a resolver problemas complexos. Foram duas sessões, que ocorreram nos dois dias do evento: uma que convidou o público a desconstruir comportamentos culturais e outra, cujo objetivo era gerar empatia profunda ao criar experiências para que os participantes pudessem vivenciar o que é a violência contra a mulher.

Atividades sobre o combate à violência contra a mulher – Foto: Sergio Caddah

Foram dois dias intensos, mas que passaram rápido demais. A conclusão que fica é a de que o design pode, sim, fazer muito pelo mundo – e as discussões sobre como usá-lo como ferramenta são sempre bem-vindas. E é por isso que estamos torcendo para que a próxima edição do WDCDSP seja logo confirmada.

Imagem de destaque: Sergio Caddah.

Com amor, GKPB. <3

Comentários

Apple lança livro “Designed by Apple in California” e preço chega a R$ 1.000

Por: Matheus Ferreira

A Apple está colocando à venda em sua loja virtual o seu livro de fotos “Designed by Apple in California”, que conta a história do design dos produtos da empresa ao longo destes 20 anos de história.

Como já era de se esperar, o livro é de um bom gosto típico da Apple: totalmente minimalista, com uma capa branca, com aplicação em baixo relevo do logo da maçã na capa e do nome do livro na lombada. Por dentro? Cerca de 450 fotos dos produtos, que vão do iMac de 1998 ao Apple Pencil, de 2015.

O preço? US$ 199 (R$ 685,00¹) pela versão menor com 10.20” x 12.75”; e US$ 299 (R$ 1030,00¹) pela versão maior, que tem 13” x 16.25”.

livro-designed-by-apple-in-california-4

livro-designed-by-apple-in-california-1

Designed by Apple in California

“A idéia de realmente tentar fazer algo grande para a humanidade foi a motivação de Steve desde o início, e continua a ser o nosso ideal e nosso objetivo como a Apple olha para o futuro”, disse Jony Ive, diretor de design da Apple.

Mais do que uma homenagem ao incomparável Steve Jobs, o trabalho da Apple neste livro deixa claro que a companhia sabe exatamente onde é o seu lugar na história do design mundial. E mais uma vez prova que bom gosto tem seu preço. E seu público.

Depois de que lançaram um aromatizante com cheiro de Mac novo que esgotou nas primeiras horas de venda, eu já não espero mais nada da humanidade. Por este ponto de vista a aposta da Apple nem é tão inacreditável assim, mas de qualquer forma, pagar R$ 1.000 por um livro é um preço alto demais que apenas um público muito, muito específico estará disposto a pagar. E a ideia é essa mesmo.
livro-designed-by-apple-in-california-2 livro-designed-by-apple-in-california-31- O valor em reais é uma conversão direta de acordo com o preço do dólar no momento do fechamento deste post.

Com amor, GKPB. <3

Comentários

Affinity Photo, maior concorrente do Photoshop no Mac chega ao Windows

Por: Matheus Ferreira

Mesmo com 26 anos de vida o Photoshop ainda não tem um concorrente à sua altura. Mas um aplicativo vem conseguindo se destacar e está prestes a assumir este papel. Eu estou falando do Affinity Photo, um conhecido dos usuários do Mac, que acaba de desembarcar no Windows.

O Affinity Photo foi lançado há pouco mais de um ano para Mac e em pouquíssimo tempo conseguiu chamar a atenção dos criativos que utilizam a plataforma da maçã. O sucesso rendeu até mesmo à Affinity o prêmio de Melhor App de Mac do ano passado.

ferramentas-affinity-photo-concorrente-photoshop

Affinity Photo

Pense nas principais e mais complexas tarefas que você pode fazer no Photoshop, como criar composições, retocar imagens, trabalhar com vetoriais, ajustar os níveis das imagens, tudo isso é perfeitamente possível de ser realizado no Affinity. Veja abaixo um vídeo demonstrando como funciona a ferramenta:

Um dos principais diferenciais do Affinity em relação ao Photoshop é que ele é muito mais barato que a plataforma da Adobe e tem um preço fixo, ou seja, não é preciso pagar uma assinatura do aplicativo. Enquanto o Photoshop custa em sua edição mais barata US$ 9,99 ao mês, o Affinity Photo custa US$ 49,90. E as atualizações são garantidas de forma gratuita.

Affinity Designer

Se você também utiliza o Illustrator, a Affinity também tem uma opção a ele: o Affinity Designer promete uma gama de recursos bastante variados para composições em vetor, além de ter uma pegada voltada para a criação da layouts.

Os apps da Affinity estão chegando ao Windows ainda em fase beta. Os interessados nos aplicativos podem conhecer mais sobre as ferramentas e fazer o download das versões de testes gratuitamente no site da Affinity clicando aqui.

Com amor, GKPB. <3

Comentários

What Design Can Do discute o impacto do Design na sociedade em SP

Por: Matheus Ferreira

O What Design Can Do (WDCD) é um dos eventos mais emblemáticos que eu tenho conhecimento na área da comunicação. Isso porque ao mesmo tempo em que o nome diz logo o que se pretende, como isso vai ser abordado é sempre uma experiência completamente surpreendente.

O evento que nasceu em Amsterdã no ano de 2011 teve sua primeira edição fora da Holanda no ano passado aqui em São Paulo e agora está de volta à capital paulista para discutir mais uma vez o impacto do Design na sociedade.

Veja um pouco do que rolou em 2015:

What Design Can Do 2016

Este ano o evento acontecerá nos dias 13 e 14 de dezembro no Teatro FAAP, com apresentações sobre temas como questões urbanas, consciência cultural, comunicação e refugiados.

Entre os palestrantes, nomes fantásticos como o arquiteto holandês Jacob van Rijs, o super-chef brasileiro Rodrigo Oliveira, o designer de experiências britânico Sam Bompas e a estilista Selly Raby Kane.

Se você se interessou pelo evento, pode encontrar mais informações e comprar os ingressos para apenas um dia ou o combo dos dois dias de evento por valores que começam em R$ 140 no site do What Design Can Do. O primeiro lote vai somente até hoje!

Com amor, GKPB. <3

Comentários

que Bottle: esta garrafa sanfonada te ajuda a carregar água economizando espaço

Por: Matheus Ferreira

Carregar sua própria garrafa de água não só é mais barato e prático, como também ajuda a gerar menos lixo. Mas na maioria das vezes as garrafas acabam ocupando muito espaço, o que dificulta as coisas na hora de carregarmos para o trabalho, faculdade ou até mesmo uma viagem. Mas a “que Bottle” quer te pedir uma nova chance.

A “que Bottle” é uma garrafinha muito bonita, que traz um design sanfonado, que além de dar um toque mais moderno, ainda possibilita que ela se reduza a 50% de seu tamanho original, permitindo economizar espaço na bolsa quando estiver vazia. Veja:

Garrafa sanfonada dobrável “que Bottle”

A que Bottle também é a prova de vazamentos e a prova de quedas, caso você seja um pouco desastrado ou já tenha passado pela péssima experiência de molhar tudo dentro da bolsa por conta de algum vazamento. E você também pode colocar líquidos quentes dentro dela sem preocupação, isso porque ela suporta até 60ºC de temperatura.

O projeto do Kickstarter tinha como intuito de reunir US$ 20 mil para viabilizar a produção das garrafas, mas até o momento em que eu fecho esta matéria os desenvolvedores já ultrapassaram US$ 120 mil.

Se você se interessou, pode encontrá-la em duas versões: 350 e 600ml na página do projeto no Kickstarter clicando aqui. Eles entregam em qualquer lugar do mundo.

Com amor, GKPB. <3

Comentários

Designers sugerem novos ícones para banheiros sem gênero

Por: Colaboradores

Em um mundo tão diversificado quanto o nosso, as placas de identificação de gênero na porta dos banheiros ficou ultrapassada, pensando nisso a Co.Desgin designou seis designers de estúdios diferentes, para criarem ícones de banheiro neutros, sem a velha silhueta masculina e a mulher de vestido.

gkpb-banheiro-neutro-5

O designer Sam Becker, diretor de criação da Brand Union, passa a imagem do papel higiênico com foco no que acontece no banheiro, não importando quem o usa. Assim a frase “banheiro de gênero neutro” fica de aviso para que os usuários fiquem cientes da pluralidade que podem encontrar lá dentro.

gkpb-banheiro-neutro-4

Jonathan Notaro, diretor executivo de criação da Brand New School, elevou a identidade visual de um banheiro com gênero neutro além do que somos, como homem e mulheres, e sim o que somos por dentro, um  aglomerado de ossos.

gkpb-banheiro-neutro-3

E foi “dando ombros” que os designers Geoff Cook e Min Lew da Base Design, mandaram o recado de que tanto faz quem usa, o banheiro é só um banheiro, sem necessariamente uma distinção.

gkpb-banheiro-neutro-2

gkpb-banheiro-neutro-2

gkpb-banheiro-neutro-1

Já as três identidades acima são da designer Vivi Feng, da Siegel+Gale, onde em primeiro lugar a mensagem é ignorar os questionamentos, pois é apenas um banheiro e todos podem usar.

Em segundo lugar a designer incorpora uma tipografia a identidade com um “A”, “2” e “L”, que indica “All” (todos em inglês), ou seja um banheiro onde todos são bem-vindos.

Já a última identidade da designer dá alusão ao elemento de direitos humanos que significa a igualdade.

gkpb-banheiro-neutro

Em último lugar, ficamos com a diretora de design Krista Oraa da Siegel+Gale, que mistura a silhueta de um homem e uma mulher juntos.

Com informações de: Blue Bus. Por Pedro Ribas.

Com amor, GKPB. <3

Comentários