Planilha do Google Docs viraliza e abala imagem de agências de todo o país

Por: Matheus Ferreira

Uma bomba caiu sobre algumas das principais agências do país nos últimos dias: uma planilha do Google Docs que tinha como intuito reunir opiniões anônimas sobre algumas agências de São Paulo acabou viralizando e se tornando um grande repositório de críticas e reclamações de agências de todo o país.

A planilha que já está sendo considerada a “Delação Premiada” das agências de publicidade foi criada após um profissional da área tentar ajudar um amigo recém chegado a São Paulo a procurar vaga de trabalho em lugares legais.

Como no mercado de trabalho a gente nunca pode ser totalmente sincero em nossas opiniões sob o risco de ser marcado, a ideia de deixar as respostas totalmente anônimas acabou incentivando que alguns profissionais frustrados acabassem utilizando a plataforma para desabafar.

Leia também:  As campanhas que conquistaram os 14 Leões de Ouro do Brasil no Cannes Lions

O problema é que em alguns casos a coisa realmente ficou feia. Diversas agências foram acusadas de assédio moral, sexual, machismo, preconceito, humilhação. Alguns relatos são tão fortes que poderiam facilmente virar caso de polícia em caso de comprovação.

Eu acho realmente interessante e válida a ideia de dar voz aos funcionários para que muitos empresários repensem sua gestão, ou vejam abusos cometidos por gestores de nível intermediário (até porque quando o problema está no dono é mais difícil de resolver).

Ma vale lembrar também que caso alguém entre com ação judicial contra o que foi dito, não há anonimado que persista a uma ordem judicial, visto que os dados do Google Docs não são criptografados.  Portanto, vale a pena refletir bem antes de fazer sua crítica, pra ver se ela não pode ser tão agressiva quanto as atitudes que você vivenciou na empresa. Assédio é crime. Calúnia, injúria e difamação também são. Ambos devem ser combatidos.

Leia também:  Globosat homenageia Dia do Mídia com webserie

A internet está aí pra todo mundo ter o direito de falar o que bem entender na hora que quiser e onde quiser. Se você acha que realmente sua crítica não pode trazer problemas, mas sim contribuir para um mercado mais ético e menos machista, é uma boa oportunidade.

Atualizado em 19/08/2016 – Aparentemente a possibilidade de cadastrar novas respostas foi encerrada pelo criador da pesquisa. O acesso às respostas também não é mais possível por meio da planilha.

O Geek Publicitário não é o responsável pela criação, hospedagem ou qualquer conteúdo inserido na planilha. Nós apenas nos encarregamos de noticiar os fatos.

* Nota do autor: Eu sempre falo que comunicação não é o que alguém, ou alguma marca diz, mas sim o que as pessoas interpretam. Fazendo o uso dessa máxima entendi que meu ponto de vista foi interpretado de maneira diferente do que eu quis dizer por algumas pessoas. Nunca compactuei com assédio qualquer que fosse o nível ou gênero, tampouco estou promovendo tal “corporativismo”. Estou do mesmo lado que vocês. Quero um mundo mais igual e justo pra quem quer que seja. Quero que todos tenham o direito de ser o que quiserem e exercer a profissão que desejarem. E em respeito a estas pessoas, o texto foi editado.

Veja este e outros destaques em nosso canal no Youtube:

Leia também:  21ª edição do Festival de Publicidade de Gramado foca na diversidade

Com amor, GKPB. <3

Publicado por

Matheus Ferreira

Matheus Ferreira, 26. Publicitário e fundador do Geek Publicitário. Falo sobre Publicidade, TV, Design e Tecnologia.

Comentários