Comerciais do Conar explicam a diferença entre gosto pessoal e conteúdo ofensivo

Por: Matheus Ferreira

Uma das maiores dificuldades do mercado publicitário está na linha tênue entre o que é conteúdo ofensivo e o que pode ser encarado como uma simples questão de gosto pessoal. Pensando nisso, o pessoal do Conar decidiu lançar dois comerciais para exemplificar estas diferenças de forma mais clara.

Nos filmes, o Conselho usa uma linguagem bem-humorada para explicar que, não é só porque você acredita que um comercial deveria ser de um ou outro jeito, que ele é algo ofensivo. O resultado é bastante interessante. Veja:

A campanha tem como intuito mostrar para a população que existe um órgão com autoridade para regulamentar os conteúdos que circulam na propaganda brasileira, com legitimidade e competência para diferenciar gosto pessoal de ofensa ou conteúdo antiético.

Leia também:  Women to Watch: conheça 7 comunicadoras brasileiras para ficar de olho em 2017

O CONAR (Conselho Nacional de Autoregulamentação Publicitária) é formado por representantes da indústria (agência, veículos e anunciantes) e também por personalidades independentes, que representam a sociedade civil. Por esse motivo, é mais eficiente e democrático. E reconhece a importância que a propaganda tem na vida das pessoas.

Além dos filmes, a campanha conta ainda com peças de rádio e anúncios impressos. A criação é da AlmapBBDO.

Veja estee outros destaques em nosso canal no YouTube:

Com amor, GKPB. <3

Publicado por

Matheus Ferreira

Matheus Ferreira, 26. Publicitário e fundador do Geek Publicitário. Falo sobre Publicidade, TV, Design e Tecnologia.

Comentários