Depois de realizar comentários considerados preconceituosos nas redes sociais, José Boralli segue tentando um cargo na publicidade. Enquanto não consegue, o profissional decidiu tentar reverter a situação de forma mais séria. Isso porque alguns publicitários que criticaram a contratação do profissional pela BETC acabaram recebendo notificações extrajudiciais que foram interpretadas como uma tentativade intimidar publicações críticas ao caso.

O Geek Publicitário teve acesso a um trecho de um documento enviado a uma publicitária que chegou a publicar diversas críticas à contratação do executivo pela BETC. No documento que tivemos acesso, os advogados do publicitário citam alguns comentários feitos pela pessoa que recebeu a notificação e reforçam que alguns deles extrapolam o limite do convívio social.

‘xenófono (sic) acabou de ser contratado pro alto escalão’ extrapola referida liberdade por atribuir a José Boralli adjetivo que denigre sua honra, o que não é permitido pela legislação pátria”. Em outro momento o documento cita o fato de a publicitária ter duvidado do arrependimento do profissional “‘o pedido de desculpas não faz a pessoa mudar de atitude, nem de opinião’ pode ser considerado difamação nos termos do artigo 139 do Código Penal, por ofender diretamente a reputação do José Boralli.”.

Se por acaso você ainda não está por dentro do que tem acontecido no universo da publicidade nos últimos meses, aqui vai um resumo. José Boralli, então executivo de Negócios da Africa, postou em seu Instagram uma imagem onde dizia “Nordeste vota em peso no PT. Depois vem pro Sul e Sudeste procurar emprego!”.

O fato caiu como uma bomba em cima da agência fundada por dois nordestinos, gerou a demissão do profissional, que no mês passado chegou a ser anunciado na BETC em mais um cargo de liderança. O resultado: em menos de uma semana, o profissional já foi demitido depois de manifestações de funcionários, como explicamos neste post.

Ao Meio & Mensagem, Boralli confirmou que realmente contratou um escritório e disse que não considera a notificação uma espécie de intimidação, apesar de muita gente do mercado ouvida pelo Geek Publicitário ter afirmado que fica ainda mais claro que o intuito é intimidar qualquer um que realizou publicações contrárias a contratação do executivo.

“Isso é uma forma arbitrária de intimidação, a qual sabemos bem não vai adiantar nda. Não são comentários no post que mudarão alguma coisa, mas sim a militância que se formou dentro e fora das agências. Nossas palavras aqui apenas reverberam nossos ideais. A era dos coronéis de agência acabou e nunca, jamais, vai voltar. A cultura intimidatóra, assediadora, machista, racista, LGBTfóbica e elitista está no fim em TODAS as agências. Nós vamos ficar de olho de perto”, disse uma das pessoas que recebeu o documento.

Nós entramos em contato com José Boralli e ele não respondeu nossa solicitação para comentar o caso.

Publicidadeleobalbi-cabore