More
    Começa depois do anúncio
    Início Negócios Brasileiros pretendem continuar higienizando alimentos, cozinhando e fazendo cursos online mesmo depois...

    Brasileiros pretendem continuar higienizando alimentos, cozinhando e fazendo cursos online mesmo depois da quarentena

    Mesmo após a quarentena, brasileiros pretendem manter alguns dos hábitos de consumo adotados durante o isolamento. Saiba mais.

    A obrigatoriedade de ter uma nova rotina fez com que muitos brasileiros se deparassem com uma nova rotina e novos hábitos de consumo, que a falta de tempo do dia-a-dia não nos permitia. Mas em algum momento nós retomaremos nossa vida e, com isso, uma parte desta nossa nova rotina deve nos acompanhar. Foi o que revelou o estudo da Toluna.

    Na pesquisa realizada entre 8 e 10 de maio com 1.052 pessoas de todas as regiões do país, os entrevistados afirmaram que pretendem manter hábitos como higienizar todas as coisas que entram em casa (59,5%), cozinhar (49,6%), fazer cursos online (43%) e ir ao mercado ou farmácia somente quando for extremamente necessário (40,6%).

    Veja também:  Snacks, webcams e pijamas lideram crescimento nas vendas online

    Tendências de consumo pós-pandemia

    - Continua depois do anúncio -

    Quando questionadas sobre tendências pós-pandemia, 63,6% das pessoas acreditam que o trabalho remoto irá se manter, a educação a distância (58%), busca por novos conhecimentos continua (57%), novos modelos de negócios para restaurantes (54,3%) e revisão de crenças e valores (49,6%).

    “Desde fevereiro, antes do Brasil confirmar seus primeiros casos de Covid-19, a Toluna têm dedicado atenção e esforços para ouvir e entender todas os sentimentos, necessidades e opiniões da população brasileira durante essa crise gravíssima. Pensando nisso, criamos algumas pesquisas para identificar os principais pontos de atenção. Nesse novo estudo inédito, nosso principal propósito foi identificar os hábitos e comportamentos dos brasileiros durante a quarentena e o que será tendência daqui pra frente”, explica Luca Bon, diretor-geral da Toluna para América Latina.

    Veja também:  Brasil é o primeiro país a receber stories no Linkedin

    Em relação ao trabalho, 26% dos entrevistados afirmaram estar trabalhando de casa normalmente, alguns já estavam desempregados antes da pandemia (12,2%) e há quem esteja trabalhando no modelo home office com jornada reduzida (12%). Outros são autônomos e estão sem receber remuneração (10,6%), pois os serviços estão suspensos.

    O estudo mostrou o aumento no consumo de alguns alimentos específicos como o arroz (82%) e feijão (73%), frutas (82,6%), ovos (77,6%) e alimentos congelados (68%). Também houve um aumento em alguns medicamentos como a vitamina C (74%) e antigripais (64%).

    Veja também:  Nubank investe R$ 20 milhões para custear despesas dos clientes

    95% das pessoas pesquisadas afirmaram ter comprado algum item específico para se proteger contra contaminação. Entre elas, os produtos mais citados foram desinfetante para as mãos/álcool em gel (94,4%), máscara de tecido reutilizável (90%), sabonete (70%) e desinfetante para ambientes (67,4%).

    Shows, cinemas, academias e eventos esportivos

    Em um cenário em que tudo voltasse a funcionar normalmente mas ainda sem vacina e sem cura para a Covid-19, a maioria das pessoas afirma que não frequentaria shows (62,3%), cinema e teatros (62%), academias (57,5%), eventos esportivos (56%) e clubes (55,2%). 

    No estudo realizado pela Toluna, a maioria das pessoas (87%) se considera muito ou extremamente preocupada com o surto do novo coronavírus. Quando questionadas, 62% das pessoas se mostrou igualmente preocupada com os impactos da pandemia na saúde pública e na economia. 

    Mais de 97% das pessoas afirmam praticar algum tipo de isolamento social, divididas entre isolamento total (55%) e parcial (42%). O isolamento parcial é justificado por pessoas que precisam sair para trabalhar (44%) e outras que precisam resolver coisas pontuais (54%), como ir ao supermercado.

    Veja também:  Youtube, Netflix e Amazon reduzem qualidade do streaming para não sobrecarregar redes na Europa

    Metodologia

    Essa pesquisa foi realizada entre os dias 8 e 10 de 2020, com 1.052 pessoas das classes A, B e C, segundo critério de classificação de classes utilizado pela Abep – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, onde pessoas da classe C2 tem renda média domiciliar de R$ 4.500 por mês. Estudo feito com pessoas acima de 18 anos, todas as regiões brasileiras, com 3% de margem de erro e 95% de margem de confiança.

    Veja também:  Mais Burguinho inova e cria rodízio drive-in

    Com amor, GKPB. <3

    Acompanhe novidades em tempo real. Siga nosso perfil no Instagram.

    Conheça nosso canal no Youtube:

    Conecte-se

    64,036FansLike
    74,531FollowersFollow
    13,800SubscribersSubscribe

    Em alta