More
    Começa depois do anúncio
    Início Geek Games Mulheres são maioria e smartphone é o dispositivo preferido dos gamers, aponta...

    Mulheres são maioria e smartphone é o dispositivo preferido dos gamers, aponta pesquisa

    Pesquisa Game Brasil revelou panorama do cenário gamer, preferências e hábitos de consumo dos jogadores brasileiros. Saiba mais.

    Os games nunca foram tão populares no Brasil, é o que aponta a mais nova edição da Pesquisa Game Brasil (PGB) realizada neste ano. 73,4% dos entrevistados dizem jogar algum game eletrônico, independente da plataorma. O número é 7,1% maior em relação ao ano passado. E as mulheres seguem na liderança. O público feminino corresponde a 53,8% dos gamers entrevistados.

    A pesquisa ainda mostra outros dados bem relevantes sobre esse universo, como o que comprova que jogos não são coisa de criança há muito tempo. A principal faixa etária da pesquisa são adultos de 25 a 34 anos (33,6%), seguidos pelo público de 16 a 24 anos (32,5%).

    - Continua depois do anúncio -

    A pesquisa também indica que os gamers brasileiros se dividem em dois grupos: 67,5% que não se consideram gamers e 33,5% que se consideram. O primeiro foi caracterizado como o “gamer casual”, uma maioria que possui o hábito de jogar, porém em menor tempo e frequência. O segundo grupo foi caracterizado como o “gamer hardcore”, que tem o jogo digital destacado em seus hábitos de consumo e dentro de suas preferências.

    “Ser um ‘hardcore gamer’ tem mais a ver com a importância dos games na vida do jogador, e não necessariamente está relacionado à quantidade de horas jogadas”, explica Guilherme Camargo, sócio-CEO do Sioux Group. “Um bom exemplo seriam as pessoas em idade adulta, que trabalham e têm menos tempo para jogar, mas nem por isso deixam de consumir games e se dedicar a esta atividade”, acrescenta.

    Entre os casuais, as mulheres lideram por mais um ano de pesquisa, com 61,9% desse público sendo feminino. Os homens, por sua vez, se identificam mais com o perfil hardcore, com 61,3%. Do ponto de vista de mercado, o hardcore gamer possui uma população menor, mas muito relevante e engajada: jogam três vezes ou mais por semana, em sessões que duram por volta de 3h.

    Ainda que a maior parte dos hardcore gamers compre até três jogos por ano, uma porção relevante (22,4%) comprou mais de dez jogos ao longo de 2019 só na plataforma de videogames. Já entre os jogadores casuais, o estudo mapeou que este público joga pelo menos uma vez por semana, em partidas que levam até 1h por sessão. Costumam comprar, ainda, três jogos das plataformas que gostam ao longo do ano.

    Veja também:  Durante quarentena, 7 em cada 10 pessoas pretendem comemorar o Dia das Mães
    Veja também:  Fãs criam modelos para DualSense, o novo controle do Playstation 5

    Hábitos de consumo

    Uma característica entre os gamers brasileiros identificada pela PGB é a prática de jogar enquanto realiza outras atividades. As principais são: são assistir à TV (41,8%), ouvir música (40,0%), navegar na internet (38,0%) e acessar redes sociais (35,9%).

    Salgadinhos, snacks, chocolates e doces

    A pesquisa também revela que os hardcore gamers consomem mais alimentos do que os casuais durante as sessões (79,3% e 66,4%, respectivamente). O primeiro grupo divide o tempo de jogo com o consumo de três categorias de alimentos: salgadinhos/snacks (37,6%), refrigerante (37,3%) e sucos (34,9%). Já os casuais consomem duas categorias durante as partidas, preferindo também os snacks (33,3%), mas votando pelos chocolates e doces em segundo lugar (29,0%).

    Em relação ao hábito de jogar, as sessões mais longas dos gamers acontecem no console, onde 41,5% dos entrevistados dedicam de 1h a 3h corridas. No entanto, é o celular que lidera quando o assunto é frequência por semana, onde 49,3% joga todos os dias. “Isso demonstra que o ‘efeito Free Fire’, um dos jogos mobile de maior popularidade no Brasil, alavancou a audiência nos smartphones, inclusive do hardcore gamer”, explica Carlos Silva, Head de Gaming na Go Gamers.

    O jogo na palma da mão

    Num país com 220 milhões de smartphones, segundo dados da FGV (Fundação Getúlio Vargas), não surpreende que estes aparelhos, cada vez mais poderosos, tenham caído no gosto do jogador: o celular é a plataforma mais utilizada pelo brasileiro para jogar, com 86,7% da preferência, segundo a PGB. Os consoles, com 43,0%, e o computador, com 40,7%, vêm em 2º e 3º lugares.

    Smartphone é a plataforma preferida dos jogadores

    Comprovando a vocação do smartphone para os games, estes aparelhos são também a plataforma de jogo favorita, com 52,0% da preferência, um crescimento de 7,0% em relação ao ano passado. Fatores como poder jogar em qualquer lugar, ter o celular sempre à mão e o avanço na qualidade gráfica dos jogos estão entre os principais motivos apontados pelo público para justificar a preferência pelos smartphones.

    “Faz muito sentido o brasileiro cada vez mais preferir jogar no smartphone. Dentre as plataformas de jogos, é a mais acessível e talvez a mais multipropósito, sendo um investimento que vale a pena para grande parte da população por conta das opções de comunicação e entretenimento”, esclarece Mauro Berimbau, professor da ESPM e consultor Go Gamers

    Veja também:  Sony disponibiliza jogos gratuitos para Playstation 4
    Veja também:  "Sonic: O Filme" vai ganhar continuação

    Consoles em xeque

    Se por um lado os smartphones ganharam espaço, em compensação os consoles de videogame perderam. E foi uma queda expressiva: apenas 19,9% do público diz preferir os consoles, 33,0% a menos quando comparado a 2019. O computador, por sua vez, subiu 10,0% na preferência, chegando a 14,2%.

    “A queda da preferência pelos videogames provavelmente acontece por conta do momento da indústria que se prepara para o lançamento da nova geração de consoles. A preferência deve subir quando tivermos os aparelhos novos no mercado, mas não tem como superar a massa de jogadores de smartphone”, conta Camargo.

    Segundo a PGB, 50,2% dos hardcore gamers desejam adquirir os novos consoles logo na data lançamento, que serão encabeçados pelo PlayStation 5 e do Xbox Series X. Já a maioria dos casuais que mostraram interesse em comprar, não farão no momento do lançamento (71,1%).

    Consumo e prática de eSports

    A PGB procurou mapear o conhecimento dos jogadores brasileiros em eSports (esportes eletrônicos), questionando o quanto que os gamers praticam as modalidades e consomem partidas transmitidas em canais de televisão ou de streaming. Ao todo, 65,6% do público afirma conhecer a modalidade, e 44,7% destes praticam.

    “No mapeamento, fica perceptível que o segmento hardcore é o mais envolvido com eSports, com 64,0% do grupo praticando algum título. Já os gamers casuais são os menos adeptos, com apenas 30,8% de praticantes. Desta forma, apesar do seu crescimento em consumo e em espaço na mídia, eSports continuam sendo considerados uma novidade, já que muitos jogadores brasileiros ainda desconhecem a atividade”, complementa Silva.

    Em relação aos espaços de consumo, existe um claro domínio do YouTube, com 74,4% do público hardcore acompanhando partidas por este canal, seguido pelo Facebook (41,3%), Twitch (31,8%) e, em quarto lugar, pela TV Paga (25,2%). A Twitch teve o crescimento mais expressivo em termos penetração neste público, subindo 33,0% em relação ao ano anterior.

    Veja também:  No mês Geek, Amazon oferece diversos descontos em produtos

    Tal pai, tal filho

    Independentemente de ter o hábito de jogar, 78,7% dos pais afirmam que seus filhos jogam jogos eletrônicos, e 71,0% têm o costume de jogar junto com eles. Considerando apenas os pais gamers, o número de filhos que jogam aumenta para 84,3%, enquanto os pais que realizam a atividade junto com os filhos chega a 95,6%. “A tendência já vinha sendo confirmada desde as últimas edições da pesquisa”, comenta Berimbau.

    O estudo também mostra que o envolvimento dos pais com os games é diretamente proporcional à aceitação que possuem em relação ao consumo de jogos de seus filhos. Para 56,2% dos pais, deve-se evitar que as crianças joguem antes de dormir. Já os pais identificados como hardcore gamers têm uma posição menos discrepante em relação ao assunto (46,8%).

    Veja também:  Durante quarentena, 7 em cada 10 pessoas pretendem comemorar o Dia das Mães

    Outro ponto discutido foi a violência nos jogos como influência negativa para as crianças e adolescentes. A PGB indica que os pais se dividem em relação ao tema. Uma parte significativa dos que não jogam concordam que os games podem levar ao comportamento agressivo e à delinquência (33,4%), enquanto os pais gamers, em maioria, discordam dessa afirmação (56,6%).

    Outro assunto que deixa pais divididos é a influência que os jogos possuem na aprendizagem de seus filhos. Mesmo entre os pais gamers, a opinião é dicotômica: 47,4% discordam (parcialmente ou totalmente) que os jogos possam atrapalhar, enquanto 35,9% concordam (total ou parcialmente).

    PGB ouviu 5.830 pessoas em 26 Estados e no Distrito Federal, no mês de fevereiro.  A 7ª edição da pesquisa ainda oferece um Painel LATAM que busca traçar o perfil geral do jogador latino-americano, com 3.229 participantes de México, Argentina, Colômbia e Chile. Realizada pelo Sioux Group, através da unidade de negócios Go Gamers, ESPM e Blend New Research, a PGB considera jogadores (ou gamers) todos aqueles que afirmam possuir o hábito de jogar jogos digitais, independentemente do estilo de jogo, frequência ao longo da semana, duração das partidas e conhecimento sobre jogos, softwares e hardwares relacionados.

    Acesse o site oficial da PGB para saber mais sobre a 7ª edição do estudo e baixar a versão gratuita.

    Com amor, GKPB. <3

    Acompanhe novidades em tempo real. Siga nosso perfil no Instagram.

    Conheça nosso canal no Youtube:

    Conecte-se

    64,086FansLike
    74,531FollowersFollow
    13,800SubscribersSubscribe

    Para Você