Gay Publicitário

[tdc_zone type=”tdc_content”][vc_row full_width=”stretch_row_1200 td-stretch-content” tdc_css=”eyJhbGwiOnsiYmFja2dyb3VuZC1jb2xvciI6IiMwMDAwMDAiLCJkaXNwbGF5IjoiIn19″][vc_column tdc_css=”eyJhbGwiOnsibWFyZ2luLWJvdHRvbSI6IjAiLCJwYWRkaW5nLWJvdHRvbSI6IjAiLCJkaXNwbGF5IjoiIn19″][vc_row_inner][vc_column_inner][vc_single_image media_size_image_height=”153″ media_size_image_width=”544″ image=”47892″ height=”153″ size=”contain” tdc_css=”eyJhbGwiOnsibWFyZ2luLXRvcCI6IjIwIiwiZGlzcGxheSI6IiJ9LCJwaG9uZSI6eyJkaXNwbGF5Ijoibm9uZSJ9LCJwaG9uZV9tYXhfd2lkdGgiOjc2N30=”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_row_inner absolute_width=”” tdc_css=”eyJhbGwiOnsibWFyZ2luLXJpZ2h0IjoiYXV0byIsIm1hcmdpbi1sZWZ0IjoiYXV0byIsImRpc3BsYXkiOiIifX0=”][vc_column_inner width=”1/1″ tdc_css=”eyJhbGwiOnsibWFyZ2luLWJvdHRvbSI6IjAiLCJwYWRkaW5nLWJvdHRvbSI6IjAiLCJkaXNwbGF5IjoiIn19″ vertical_align=””][td_block_video_embed video_url=”https://www.youtube.com/watch?v=TmJFA3b-pqk” loop=”yes”][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_row_inner][vc_column_inner][td_block_text_with_title post_color=”#ffffff” h_color=”#ffffff” tdc_css=”eyJhbGwiOnsibWFyZ2luLXJpZ2h0IjoiMTUlIiwibWFyZ2luLWxlZnQiOiIxNSUiLCJkaXNwbGF5IjoiIn19″ f_post_font_family=”521″ f_post_font_weight=”300″ f_h2_font_weight=”900″ f_h2_font_size=”42″ f_h2_font_line_height=”1.2″]

Manifesto

Qualquer pessoa que olhe o mercado publicitário de fora imagina o melhor dos mundos. Um ambiente descolado, com paredes desenhadas, pufes espalhados pelo ambiente e uma rotina, muitas vezes, bem dinâmica. Talvez por isso fique tão difícil escancarar a lgbtfobia dentro das agências e demais ambientes da publicidade.

Na nossa luta diária pela diversidade, nos deparamos inúmeras vezes com palavras como “nossa, mas agência é um ambiente tão descolado, como que pode ter gente homofóbica lá?”. Ou então o clássico “Ah, mas eu tenho vários amigos gays que trabalham com publicidade”.

O fato é que paredes coloridas e funcionários em posições de entrada no mercado sempre serviram para disfarçar a resistência dos privilegiados em deixarem o público LGBTQIA+ assumir posições de liderança que permitam mudar os rumos da publicidade brasileira.

Afinal, a publicidade tem forte influência nos rumos da sociedade. É ela, inclusive, que paga as contas da grande maioria dos formadores de opinião de portais de notícia, dos influenciadores digitais e da tv. Mudar a publicidade é um grande passo para mudar a sociedade. E é por isso que estamos aqui.

Nós estamos aqui para questionar o mercado publicitário como um todo, e dizer que queremos mais. Queremos oportunidades iguais para conquistar posições de liderança. Queremos peças publicitárias ainda mais representativas. E queremos mostrar que nós podemos amar quem quisermos, ter a identidade de gênero a qual nos sentimos confortáveis, queremos nos manter vivos por meio do nosso trabalho e almejar uma carreira profissional de sucesso. Como qualquer outro ser humano pode.

Somos lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, queers, intersexuais, entre outros. Somos o que nossa alma quis ser. E queremos o respeito para sermos os profissionais que escolhemos ser.

– Geek Publicitário.

[/td_block_text_with_title][/vc_column_inner][/vc_row_inner][/vc_column][/vc_row][/tdc_zone]